Category: Notícias


090623_diploma-jornalismo1Para o autor da PEC, deputado Paulo Pimenta, resultado é fruto da mobilização da sociedade brasileira contra a decisão do STF.

A PEC dos Jornalistas, proposta do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) que restabelece a obrigatoriedade do diploma de jornalismo, foi aprovada na manhã desta quarta-feira (11) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.

Não foi necessária votação nominal, tendo sido feita por orientação das bancadas dos partidos, em que apenas o PSDB se posicionou contrário à admissibilidade da proposição.
A partir de agora, a PEC dos Jornalistas será remetida à análise de uma Comissão Especial, antes de ir à votação no plenário da Câmara. Ainda na tarde de hoje, o deputado Paulo Pimenta, a líder da Frente Parlamentar em defesa do diploma, Rebeca Garcia (PP-AM), e representantes da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) pretendem se reunir com o Presidente Michel Temer com a finalidade de solicitar agilidade na formação da Comissão Especial.

Para o deputado Paulo Pimenta, as tentativas de impedir a votação da PEC na Comissão de Constituição e Justiça e ações como a da Associação Nacional de Jornais (ANJ), que buscavam desqualificar as iniciativas do Congresso Nacional em favor do diploma, fracassaram devido à reação massiva da sociedade brasileira. ”O resultado favorável na CCJ é fruto dessa mobilização, que ocorreu pela internet, onde foi possível ampliar democraticamente o debate, já que os meios de comunicação tradicionais se omitiram diante da decisão do Supremo Tribunal Federal”, comemorou Pimenta a aprovação da PEC.

Autores das Propostas que restabelecem o diploma de jornalismo, Pimenta e Senador Valadares pretendem unificar texto das PECs.

Após a sessão da CCJ de hoje, Pimenta esteve reunido com o senador Antônio Carlos Valadares, também autor de uma Proposta de Emenda à Constituição no Senado Federal que estabelece a exigência constitucional do diploma de jornalismo.

Pimenta e Valadares informaram que pretendem unificar as redações das PECs, o que possibilitaria uma tramitação mais ágil, já que aprovadas separadamente em cada Casa Legislativa, a Proposta da Câmara não necessitaria de aprovação no Senado e vice-versa.

Anúncios

Programa começará com 177 mil alunos dos 1º, 2º e 3º anos, em 2010.
Prefeitura fará concurso para contratar 800 novos professores.

Em 2010, crianças a partir dos 6 anos de idade e que estudam na rede municipal do Rio vão começar a aprender inglês. Ao todo, segundo a Secretaria Municipal de Educação serão 177 mil alunos do primeiro, segundo e terceiros anos.

 Atualmente, os alunos estudam inglês do sexto ao nono anos.

 As aulas deverão começar no segundo semestre do ano que vem.

Em entrevista ao Bom Dia Rio na manhã desta terça-feira (6), a secretária Cláudia Costin acrescentou que em 2010 entram os alunos do primeiro, segundo e terceiro anos. Em 2011, as crianças do quarto ano passam a integrar o programa do inglês obrigatório e, em 2012, a disciplina passa a fazer parte do currículo também dos estudantes do quinto ano.

 Ainda segundo a secretária, atualmente na rede municipal, somente os alunos do 6º ao 9º anos têm aulas de língua estrangeira – inglês, francês ou espanhol. Com o novo programa, o inglês passa a ser obrigatório, inclusive para os estudantes a partir do 1º ano.

“O inglês será obrigatório em todas as escolas. Em algumas, vão permanecer o ensino de outras línguas, como o francês e o espanhol”, destacou a secretária.

O objetivo é que os alunos estejam bem preparados para ser bons anfitriões nas Olimpíadas de 2016.

“Vamos abrir novo concurso para professores em 30 de abril. Nossa intenção é contratar 800 novos professores. Atualmente, a rede tem 564 professores de inglês. O município tem capacidade para absorver esses quadros progressivamente”, disse Cláudia Costin.

Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL1330788-5606,00-INGLES+PASSA+A+SER+OBRIGATORIO+PARA+CRIANCAS+A+PARTIR+DOS+ANOS+NO+RIO.html

xadrezCampeã de xadrez escolar treina para conseguir nova medalha de ouro
Etapas nacionais das olimpíadas serão em setembro e novembro.
Escolas de SP incluíram jogo em seu currículo obrigatório.

Pelo amor ao xadrez, Ana Vitória Rothebarth, de 17 anos, já chegou a andar quase três dias de ônibus da sua cidade natal, Cuiabá (MT), até João Pessoa (PB) para participar de um campeonato no ano passado. Voltou de lá com o título de primeira colocada na etapa nacional das Olimpíadas Escolares.

Neste ano, o ritmo de treino diminuiu por causa dos preparativos para o vestibular, mas mesmo assim ela continua se dedicando bastante.

“Espero voltar para casa campeã novamente“, diz Ana Vitória, que aprendeu a jogar aos 11 anos, com o pai. Foi também graças ao xadrez que conseguiu uma bolsa de estudos em uma escola particular. “Eu já era boa aluna e o xadrez me abriu mais portas ainda.”

O benefício que o xadrez na escola traz ao aluno, como a agilidade de raciocínio e capacidade de concentração, foi uma das razões para o jogo ser incluído no rol de modalidades desde a criação das Olimpíadas Escolares pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), em 2005.

O xadrez é disputado em duas categorias: 12 a 14 anos e 15 a 17 anos. Os atletas são selecionados em disputas municipais e estaduais, que terminam agora no mês de agosto. Passam para a etapa nacional dois estudantes por categoria. Os mais jovens jogarão a fase nacional de 10 a 20 de setembro em Poços de Caldas (MG). Os mais velhos competem de 5 a 15 de novembro em Maringá e Londrina (PR).

“É uma forma lúdica de aprender. E o xadrez foi incluído porque não depende de uma habilidade física. É uma questão intelectual. O estudante não precisa ser o mais forte, o mais rápido. É uma modalidade em que todos podem participar”, afirma Edgar Hubner, gerente-geral da área de Iniciação, Fomento e Eventos do COB e diretor das Olimpíadas Escolares. “Um país só tem um esporte forte se tiver esporte forte na escola.”

Como prêmio, os vencedores recebem, além da medalha, uma bolsa em dinheiro que pode ser usada para comprar livros de xadrez ou viajar para competir, por exemplo.

Ao longo do ano, o COB também organiza jogos de xadrez em um tabuleiro gigante, que mede quatro metros por quatro metros, com peças amarelas e azuis. “Levamos esse tabuleiro para diferentes cidades. Acaba ficando um jogo muito interativo”, explica Hubner. Em setembro, o tabuleiro gigante estará em Poços de Caldas.

Lógica e agilidade

Por conta dos seus benefícios, o xadrez passou a fazer parte do currículo obrigatório de alguns colégios de São Paulo.

“O xadrez pode ser trabalhado com alunos de idades variadas”, afirma José Antonio Rosa, 55 anos, professor de xadrez do Colégio Augusto Laranja, em São Paulo, que incorporou a atividade ao currículo obrigatório dos alunos do 3º ao 6º anos.

Segundo ele, o jogo ajuda não só em matemática mas em outras disciplinas também. “Com o xadrez, o aluno aprende a planejar. Na escola, temos um tabuleiro-mural, com peças imantadas. Proponho uma situação-problema e os alunos dão as suas sugestões sobre os próximos movimentos.”

No Colégio Emilie de Villeneuve, também na capital paulista, o xadrez está no currículo desde 2003. A coordenadora pedagógica, Silvia Azevedo, afirma que a atividade é sempre muito bem aceita pelos estudantes. “Eles se divertem bastante na aula. Além da parte de raciocínio e lógica, o xadrez é importante para o aluno aprender a se expressar. Em algumas atividades, ele precisa antecipar as jogadas em voz alta.”

Não há uma idade mínima para aprender a jogar xadrez, mas a partir dos 7 ou 8 anos fica mais fácil porque a criança já começa a desenvolver o raciocínio lógico-abstrato, segundo Leda Maria de Oliveira Rodrigues, educadora da PUC-SP. “É um jogo que pode ser usado até por escolas sem muitos recursos. Nesse caso, as aulas de educação artística podem ser aproveitadas para montar as peças e o tabuleiro com material de sucata.”

Fonte: G1

xadrez2

No dia 25 de fevereiro, nossa cidade foi tomada de surpresa por uma trágica notícia de um acontecimento que chocou o país: uma menina de nove anos de idade, tendo sofrido violência sexual por parte de seu padrasto, engravidou de dois gêmeos. Além dela, também sua irmã, de treze anos, com necessidade de cuidados especiais, foi vitima do mesmo crime. Aos olhos de muitos, o caso pareceu absurdo, como de fato assim também o entendemos, dada a gravidade e a forma como há três anos isso vinha acontecendo dentro da própria casa, onde moravam a mãe, as duas garotas e o acusado.

O Conselho Tutelar de Alagoinha, ciente do fato, tomou as devidas providências no sentido de apossar-se do caso para os devidos fins e encaminhamentos. Na sexta-feira, dia 27 de fevereiro, sob ordem judicial, levou as crianças ao IML de Caruaru-PE e depois ao IMIP (Instituto Médico Infantil de Pernambuco), de Recife a fim de serem submetidas a exames sexológicos e psicológicos. Chegando ao IMIP, em contato com a Assistente Social Karolina Rodrigues, a Conselheira Tutelar Maria José Gomes, foi convidada a assinar um termo em nome do Conselho Tutelar que autorizava o aborto. Frente à sua consciência cristã, a Conselheira negou-se diante da assistente a cometer tal ato. Foi então quando recebeu das mãos da assistente Karolina Rodrigues um pedido escrito de próprio punho da mesma que solicitava um “encaminhamento ao Conselho Tutelar de Alagoinha no sentido de mostrar-se favorável à interrupção gestatória da menina, com base no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e na gravidade do fato”. A Conselheira guardou o papel para ser apreciado pelos demais Conselheiros colegas em Alagoinha e darem um parecer sobre o mesmo com prazo até a segunda-feira dia 2 de março. Os cinco Conselheiros enviaram ao IMIP um parecer contrário ao aborto, assinado pelos mesmos. Uma cópia deste parecer foi entregue à assistente social Karolina Rodrigues que o recebeu na presença de mais duas psicólogas do IMIP, bem como do pai da criança e do Pe. Edson Rodrigues, Pároco da cidade de Alagoinha.

No sábado, dia 28, fui convidado a acompanhar o Conselho Tutelar até o IMIP em Recife, onde, junto à conselheira Maria José Gomes e mais dois membros de nossa Paróquia, fomos visitar a menina e sua mãe, sob pena de que se o Conselho não entregasse o parecer desfavorável até o dia dois de março, prazo determinado pela assistente social, o caso se complicaria. Chegamos ao IMIP por volta das quinze horas. Subimos ao quarto andar onde estavam a menina e sua mãe em apartamento isolado. O acesso ao apartamento era restrito, necessitando de autorização especial. Ao apartamento apenas tinham acesso membros do Conselho Tutelar, e nem tidos. Além desses, pessoas ligadas ao hospital. Assim sendo, à área reservada tiveram acesso naquela tarde as conselheiras Jeanne Oliveira, de Recife, e Maria José Gomes, de nossa cidade.

Com a proibição de acesso ao apartamento onde menina estava me encontrei com a mãe da criança ali mesmo no corredor. Profunda e visivelmente abalada com o fato, expôs para mim que tinha assinado “alguns papéis por lá”. A mãe é analfabeta e não assina sequer o nome, tendo sido chamada a pôr as suas impressões digitais nos citados documentos.

Perguntei a ela sobre o seu pensamento a respeito do aborto. Valendo-se se um sentimento materno marcado por preocupação extrema com a filha, ela me disse da sua posição desfavorável à realização do aborto. Essa palavra também foi ouvida por Robson José de Carvalho, membro de nosso Conselho Paroquial que nos acompanhou naquele dia até o hospital. Perguntei pelo estado da menina. A mãe me informou que ela estava bem e que brincava no apartamento com algumas bonecas que ganhara de pessoas lá no hospital. Mostrava-se também muito preocupada com a outra filha que estava em Alagoinha sob os cuidados de uma família. Enquanto isso, as duas conselheiras acompanhavam a menina no apartamento. Saímos, portanto do IMIP com a firme convicção de que a mãe da menina se mostrava totalmente desfavorável ao aborto dos seus netos, alegando inclusive que “ninguém tinha o direito de matar ninguém, só Deus”.

Na segunda-feira, retornamos ao hospital e a história ganhou novo rumo. Ao chegarmos, eu e mais dois conselheiros tutelares, fomos autorizados a subirmos ao quarto andar onde estava a menina. Tomamos o elevador e quando chegamos ao primeiro andar, um funcionário do IMIP interrompeu nossa subida e pediu que deixássemos o elevador e fôssemos à sala da Assistente Social em outro prédio. Chegando lá fomos recebidos por uma jovem assistente social chamada Karolina Rodrigues. Entramos em sua sala eu, Maria José Gomes e Hélio, Conselheiros de Alagoinha, Jeanne Oliveira, Conselheira de Recife e o pai da menina, o Sr. Erivaldo, que foi conosco para visitar a sua filha, com uma posição totalmente contrária à realização do aborto dos seus netos. Apresentamo-nos à Assistente e, ao saber que ali estava um padre, ela de imediato fez questão de alegar que não se tratava de uma questão religiosa e sim clínica, ainda que este padre acredite que se trata de uma questão moral.

Perguntamos sobre a situação da menina como estava. Ela nos afirmou que tudo já estava resolvido e que, com base no consentimento assinado pela mãe da criança em prol do aborto, os procedimentos médicos deveriam ser tomados pelo IMI dentro de poucos dias. Sem compreender bem do que se tratava, questionei a assistente no sentido de encontrar bases legais e fundamentos para isto. Ela, embora não sendo médica, nos apresentou um quadro clínico da criança bastante difícil, segundo ela, com base em pareceres médicos, ainda que nada tivesse sido nos apresentado por escrito.

Justificou-se com base em leis e disse que se tratava de salvar apenas uma criança, quando rebatemos a idéia alegando que se tratava de três vidas. Ela, desconsiderando totalmente a vida dos fetos, chegou a chamá-los em “embriões” e que aquilo teria que ser retirado para salvar a vida da criança. Até então ela não sabia que o pai da criança estava ali sentado ao seu lado. Quando o apresentamos, ela perguntou ao pai, o Sr. Erivaldo, se ele queria falar com ela. Ele assim aceitou. Então a assistente nos pediu que saíssemos todos de sua sala os deixassem a sós para a essa conversa. Depois de cerca de vinte e cinco minutos, saíram dois da sala para que o pai pudesse visitar a sua filha. No caminho entre a sala da assistente e o prédio onde estava o apartamento da menina, conversei com o pai e ele me afirmou que sua idéia desfavorável ao aborto agora seria diferente, porque “a moça me disse que minha filha vai morrer e, se é de ela morrer, é melhor tirar as crianças”, afirmou o pai quase que em surdina para mim, uma vez que, a partir da saída da sala, a assistente fez de tudo para que não nos aproximássemos do pai e conversássemos com ele. Ela subiu ao quarto andar sozinha com ele e pediu que eu e os Conselheiros esperássemos no térreo. Passou-se um bom tempo. Eles desceram e retornamos à sala da assistente social. O silêncio de que havia algo estranho no ar me incomodava bastante. Desta vez não tive acesso à sala. Porém, em conversa com os conselheiros e o pai, a assistente social Karolina Rodrigues, em dado momento da conversa, reclamou da Conselheira porque tinha me permitido ver a folha de papel na qual ela solicitara o parecer do Conselho Tutelar de Alagoinha favorável ao aborto e rasgou a folha na frente dos conselheiros e do pai da menina. A conversa se estendeu até o final da tarde quando, ao sair da sala, a assistente nos perguntava se tinha ainda alguma dúvida. Durante todo o tempo de permanência no IMIP não tivemos contato com nenhum médico. Tudo o que sabíamos a respeito do quadro da menina era apenas fruto de informações fornecidas pela assistente social. Despedimo-nos e voltamos para nossas casas com a promessa da assistente social de que a documentação sobre a menina dos 9 anos com o parecer médico e os encaminhamentos para o aborto seriam enviados ao Conselho Tiutelar de Alagoinha até a quarta-feira, dia 4 de março, o que até hoje no Conselho Tutelar se espera. Foram enviados apenas os documentos relativos às informações sobre a menina irmã de 14 anos, também violentada.

Aos nossos olhos, tudo estava consumado e nada mais havia a fazer, pois estava claro para nós que em pouco tempo seria iniciado o processo abortivo.

Dada a repercussão do fato, o Arcebispo Metropolitano de Olinda e Recife, Dom José Cardoso, e o bispo de nossa Diocese de Pesqueira, Dom Francisco Biasin sentiram-se impelidos a rever o fato, dada a forma como ele se deu. Dom José Cardoso convocou, portanto, uma equipe de médicos, advogados, psicólogos, juristas e profissionais ligados ao caso para estudar a forma como tudo se seu. Nessa reunião, que se deu na terça-feira, dia 3, pela manhã, no Palácio dos Manguinhos, residência do Arcebispo, também estava presente o Sr. Antonio Figueiras, diretor do IMIP que, constatando o abuso das atitudes da assistente social frente a nós e especialmente para com o pai, ligou ao IMIP e mandou que fosse suspensa toda e qualquer iniciativa que favorecesse o aborto das crianças. E assim se fez por volta das 8 horas da manhã.

Outro encontro de grande importância na luta pela vida dos bebês aconteceu. Desta vez foi no Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco, na tarde da terça-feira, dia 3. Para este, eu e mais dois Conselheiros, bem como o pai da menina fomos convidados naquela tarde. Lá no Tribunal, ficamos na sala de espera, mas o desembargador Jones Figueiredo, junto a demais magistrados presentes, se mostrou disposto a tomar as devidas e possíveis providências para que as vidas das três crianças pudessem ser salvas. Neste encontro, que se deu na Sala da Presidência do TJPE, também estava presente o pai da criança, o Sr. Erivaldo. Depois de cerca de 1 hora de reunião, deixamos o Tribunal esperançosos de que as vidas das crianças ainda pudessem ser salvas, com base na orientação dada pelo diretor do IMIP para cancelamento de toda e qualquer iniciativa pró-aborto naquele dia.

Já a caminho do Palácio dos Manguinhos, residência do Arcebispo, por volta das cinco e meia da tarde, Dom José Cardoso Sobrinho recebeu um telefonema do Diretor do IMIP no qual ele lhe comunicava que um grupo de uma entidade chamada Curumins, de mentalidade feminista pró-aborto, acompanhada de dois técnicos da Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco, teriam ido ao IMIP e convencido a mãe a assinar um pedido de transferência da criança para outro hospital, o que a mãe teria aceitado. Sem saber do fato, cheguei ao IMIP por volta das 18 horas, acompanhado dos Conselheiros Tutelares de Alagoinha para visitar a criança e a mãe. A Conselheira Maria José Gomes subiu ao quarto andar para ver a criança. Eu e o Conselheiro Hélio ficamos embaixo esperando a volta de Maria José. Ela, na recepção do quarto andar, identificou-se e a atendente, certamente ciente que a criança não estava mais na unidade, pediu que a Conselheira sentasse e aguardasse um pouco, porque naquele momento “estava havendo troca de plantão de enfermagem”. A Conselheira sentiu um clima meio estranho, visto que todos faziam questão de manter um silêncio sigiloso no ambiente. Ninguém ousava tecer um comentário sequer sobre a menina.

No andar térreo, fui informado do que a criança e sua mãe não estavam mais lá, pois teriam sido levadas a um outro hospital há pouco tempo acompanhadas de uma senhora chamada Vilma Guimarães. Nenhum funcionário sabia dizer para qual hospital a criança teria sido levada. Tentamos entrar em contato com a Sra. Vilma Guimarães, visto que nos lembramos que em uma de nossas primeiras visitas ao IMIP para ver a criança, quando do assédio de jornalistas querendo subir ao apartamento reservado exclusivamente para a menina e a sua mãe, uma balconista (enfermeira atendente) chamada Sandra afirmou meio irritada em alta voz que só seria permitida a entrada de jornalistas com a devida autorização do Sr. Antonio Figueiras ou da Sra. Vilma Guimarães, o que nos leva a crer que se trata de alguém influente na casa.

Ficamos então a nos perguntar o seguinte: lá no IMIP nos foi afirmado que a criança estava correndo “risco de morte” e que, por isso, deveria ser submetida urgentemente aos procedimentos abortivos para que a situação não se agravasse mais ainda. A pergunta é: como alguém correndo risco de morte poderia ter alta de um hospital. A credibilidade do IMIP não estaria em jogo se liberasse uma paciente que corre risco de morte? Como explicar isso? Como um quadro pode mudar tão repentinamente e a criança ter condições de ser removida a um outro hospital? O que teriam dito as militantes do grupo Curumins à mãe para que ela mudasse de opinião? Seria semelhante ao que foi feito com o pai, que depois de cerca de vinte e cinco minutos de conversa, a sós, com a Assistente Social, a portas fechadas, saiu da sala totalmente convicto de que a sua filha deveria abortar os seus netos, desfazendo sua opinião primeira favorável à vida das crianças? Por que ninguém no IMIP informou ao Conselho Tutelar para onde teria sido transferida a criança? Por que tanto silêncio e tanto mistério? Estariam, por acaso, fazendo algo errado que não pudesse ser conhecido?

De lá do IMIP voltamos ao Palácio dos Manguinhos sem saber muito que fazer, uma vez que nenhuma pista nós tínhamos de onde a menina e a sua mãe se encontravam. Convocamos órgãos de imprensa para fazer uma denúncia, frente ao apelo do pai que queria saber onde estava a sua filha naquela noite.

Na manhã da quarta-feira, dia 4 de março, já em Alagoinha, ficamos sabendo, por meio da imprensa, que a criança estava internada no CISAM, acompanhada de sua mãe. O Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (FUSAM) é um hospital especializado em gravidez de risco, localizado no bairro da Encruzilhada, Zona Norte do Recife. Lá, por volta das 9 horas da manhã, nosso sonho e luta para salvar as duas crianças se foi, baseado num ato de manipulação da consciência, extrema negligência e desrespeito à vida humana como se de nada estivéssemos falando.

Tudo isto foi relatado para que se tenha clareza quanto aos fatos como verdadeiramente eles aconteceram. Nada mais que isso houve. Porém, lamentamos profundamente que as pessoas se deixem mover por uma mentalidade formada pela mídia que está a favor de uma cultura de morte. Espero que casos como este não se repitam mais.

Ao IMIP, temos que agradecer pela acolhida da criança lá dentro e até onde pode cuidar dela. Mas por outro lado não podemos deixar de lamentar a sua negligência e indiferença ao caso quando, no momento em que, sabendo do verdadeiro quadro clínico das crianças, permitiu a saída da menina de lá, mesmo com o consentimento da mãe, parecendo ato visível de quem quer se ver livre de um problema.

Aos que se solidarizaram conosco, nossa gratidão eterna em nome dos bebês que a esta hora, diante de Deus, rezam por nós. “Vinde a mim as crianças”, disse Jesus. E é com a palavra dele mesmo que continuaremos a soltar nossa voz em defesa da vida onde quer que ela esteja ameaçada: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham plenamente” (Jo. 10,10).

Nisso cremos, nisso apostamos e por isso nos gastaremos sempre.

Acima de tudo, a Vida, dom de Deus para todos!

Fonte: (http://padreedson.blogspot.com/)

Ajudem….. por favor!!!!

Você não precisa esperar morrer para salvar vidas. A doação de órgãos é um gesto de amor. A doação de sangue e de medula óssea também. Existem milhões de pessoas aguardando com tempo contado por sua decisão.

Espalhe essa idéia. Salve vidas!

“As vezes penso: em breve vão empurrar minha família do alto do morro.

E eu não estarei lá para segurá-los.

E isso parte meu coração.

Mas tenho ainda algum tempo para construir redes. Aliviando a queda.

Eu posso me deitar e chorar, ou me dedicar a trabalhar nas redes.”

 

 

“A lição final” começou com uma palestra para centenas de pessoas em 18 de setembro de 2007. Virou um fenômeno na internet e agora é um livro escrito por Jeffrey Zaslow. Uma emocionante história de coragem, alegria de viver e sonhos realizados. Ficou em primeiro lugar na lista dos mais vendidos já no 1º dia de venda nos EUA.

 

 

Randy Pausch faleceu na manhã do dia 25 de julho de 2008, aos 47 anos, em sua casa na Virgínia. Pausch foi diagnosticado em setembro de 2006 com câncer pancreático incurável.

Mais leitura…

Durante o sínodo que reuniu mais de 200 cardeais e bispos o Papa Bento XVI lamentou a falta de interesse das pessoas pela bíblia.

            O Papa se referiu ao que chamou de “influência danosa e destrutiva de algumas formas de cultura moderna”, culturas essa que na opinião de Bento 16 decidiram que o homem é o único arquiteto de seu destino e mestre de toda a criação. Essa cultura prega que Deus está morto.

            O sínodo é realizado a cada três anos, e dura três semanas. Teve início no domingo dia 05 de outubro, foi iniciado por uma missa e logo após seguiu com a leitura ininterrupta da Bíblia iniciada por Bento XVI em Gênesis.

            Várias pessoas, de vários países participaram lendo trechos da Bíblia entre eles o jogador brasileiro Kaká.

 

Leia a bíblia on line, ou baixe uma bíblia para seu pc.

 

Boa Leitura!!!!

Navegando em Brasilia

Presidente Lula exibe um dos 50 computadores individuais entregues por Nicholas Negroponte, do MIT, a alunos do programa Um Computador por Aluno (UCA)

Presidente Lula exibe um dos 50 computadores individuais entregues por Nicholas Negroponte, do MIT, a alunos do programa Um Computador por Aluno (UCA)

O presidente Lula deu entrevista coletiva em Brasília para representantes de vários portais eletrônicos. Segundo a assessoria da presidência, a entrevista exclusiva para os portais visava prestigiar os veículos digitais.
Lula disse que usa a web para ler notícias e explicou que prefere a leitura online, para não ficar com a tinta dos jornais nas mãos.
O presidente também afirmou que faz download de músicas na internet, principalmente para presentear amigos.
Lula falou ainda de seus programas de inclusão digital e segundo ele, já ordenou que recursos do PAC sejam direcionados para ampliar a rede de fibra óptica, expandindo o acesso à banda larga no país.

 

 

Caminhada da Vida

Foi realizada hoje a “Caminhada pela Vida”, organizada pelas Pastorais da Criança e da Família e apoiada por várias escolas e estabelecimentos da cidade.
A caminhada pede que as pessoas tenham mais respeito a vida, não matando crianças inocentes. Vários pais, mães e familiares vestiam a camisa com a foto de seus filhos com os dizeres: “Meu filho é uma benção de Deus”.

Caminhada pela Vida, eu apóio.
Diga não ao aborto.

Matar não é tão grave quanto impedir que alguém nasça, tirar a sua única oportunidade de ser. O aborto é o mais horrendo e abjeto dos crimes.” (Fernando Sabino – Livro ‘O Encontro Marcado’)

 

 

 

 

Mais quatro anos…

O atual prefeito de Santos Dumont, Evandro Nery do PT, foi reeleito com 16.026, 3.321 a mais que o segundo candidato.

Santos Dumont possui 37.402 eleitores e destes 85% compareceram as urnas. 3% dos eleitores votaram em branco, e 7% nulo.

A apuração foi encerrada às 21h56min, mas às 18h30min, Evandro Nery já despontava como vencedor devido a grande diferença entre o seu concorrente Betinho.

O domingo de sol muito forte levou grande parte da população para as ruas, e o centro da cidade estava repleto de pessoas.

As filas intermináveis nos quiosques de sorvete mostrava que o povo não pretendia voltar para casa tão cedo. E não voltou. As 22h ainda haviam muitas pessoas pelas ruas da cidade. A impressão que se tinha é que toda a população resolveu dar uma volta no centro.

Depois de confirmada a vitória o prefeito eleito discursou em cima de um caminhão de som acompanhado de seu vice, e alguns aliados.

O Calçadão da Rua Antônio Ladeira foi tomado por uma massa vermelha, que depois do discurso fez uma carreata pela cidade.

Quando nós assumimos a quatro anos, a cidade possuía muitos problemas e nós conseguimos resolver vários deles. Agora vamos dedicar os próximos quatro anos para solucionar os problemas que não tivemos tempo de  solucionar.

Têm muitas ruas que precisam de infra-estrutura urbana. Precisamos continuar construindo mais escolas. Implantar em Santos Dumont a educação em tempo integral para as crianças e jovens terem acesso a uma educação de melhor qualidade.” Em entrevista a esta que vos escreve.

Segundo Evandro uma possível vitória de Margarida Salomão em Juiz de Fora seria boa também para Santos Dumont.

Os dois que são do mesmo partido do presidente, vão trabalhar em conjunto a fim de desenvolver parcerias para promover na Zona da Mata, o desenvolvimento regional sustentável.

É como diz a letra da música… DEIXA O HOMEM TRABALHAR!”